terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

O Luis e a decisão

acordei com o alarme do telemóvel em enorme algazarra tentado despertar-me do meu refugio no mundo dos sonhos. como sempre fui adiando o acordar... mais cinco minutinhos e mais cinco...e ainda mais cinco... o aconchego das mantas transmite-me um prazer peculiar - o meu tempo... o tempo em que organizo o que irei fazer ao longo do dia e como gerir os compassos do relógio.. hoje não foi esse o caso, aproveitei para me aquecer com recordações e tentar descobrir o que farei para resolver o meu presente. a minha mulher já se tinha levantado parece que estar ao meu lado a incomoda... as coisas já não andam bem, olho para ela todas as noites e pergunto-me o que faço ao seu lado.. mal falamos, mal nos olhamos muito menos nos tocamos. parecemos dois desconhecidos que habitam o mesmo espaço e não fazem intenções de interagir.ainda me lembro do dia em que a conheci, tão cheia de vida, de calor, de ingenuidade e pureza.. apaixonei-me pelo seu sorriso maroto e alma de criança... como pode estar assim tão diferente? os seus olhos já não brilham, a sua voz perdeu a melodia e chega-me aos sentidos com uma frieza mal dissimulada.. não aguento mais isto... três anos de casamento e não consigo reconhecer o ser que todas as noites se deita no meu leito e me oferece distancia..estou farto.. não vale a pena lutar por algo que já está morto.. morreu o amor e eu não sei de quem foi a culpa... vou avançar e pedir o divorcio...é melhor não...perderia todo o património pelo qual lutei anos e anos... mas que importa a merda do material se eu me sinto vazio??? a recordação do encontro com Eva naquele jardim ao anoitecer só me deu mais força.. esboço sempre um sorriso quando digo este nome. se cheguei ao limite de procurar alguém externo a esta aliança é porque o limite chegou..  levantei-me e encontrei-a sentada na janela da sala apreciando o movimento da rua... ainda mantém a pose de menina mas os seus olhos estão cinzentos.. escolhi bem as palavras na minha mente e ponderei que tom de voz a usar.. limpei a garganta para ela se aperceber que eu estava ali.. a voz saiu calma e serena..
- Madalena.... precisamos de falar...

4 comentários:

johnny disse...

Dizem que os homens nunca têm coragem para fazer isto, que são sempre as mulheres a tomar o primeiro passo nestas conversas.

Amaterasu disse...

não atribuo características especificas a cada genero... todos somos humanos e sentimos as coisas com menos ou mais intensidade... todos temos sentimentos.. :)

Criatura da Noite disse...

Concordo inteiramente com a Amaterasu. Antes de homens ou mulheres somos seres humanos.

johnny disse...

Concordo. Eu não queria dizer o contrário. Mas que costumam dizer isso, costumam :)